quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Cidade Deserta


Todas as manhãs, todas as tardes, todos os dias preso no trânsito... rodeado de indignações vocais anónimas vinculadas num profundo descontentamento e num ser, que olhado ao espelho, não existe; é fruto de todo este pérfido lodo.

Toda esta gente impaciente e acima de tudo intolerante co-habita uma estrada demasiado pequena para tantos egos reprimidos. É esta a realidade do "sonho urbano" que tanta gente procura, mesmo que isso signifique viver na miséria.

Apesar disto continuo todas as manhas e todas as tardes a embrenhar-me em tal mundo fantástico, este alberga as mais inverosímeis criaturas que normalmente existem no lado negro da força de cada um. É inevitável tal como é inevitável existirem conflitos no mundo.

Mas quando o Sol se põe, a noite chega e os grilos começam a cantar, tudo muda e parece que se cria um novo crepúsculo, desta vez imaculado.

Sinto-me mais à vontade nesta calma; olho as luzes no alto dos postes contíguos à estrada, os placares ganham vida e saltam cá para fora... uma rua de luz, um caminho fulminante, uma via inalcansável para uns, mas real para outros.

Sons cessam, olhares perduram no tempo, tudo é mais claro, tudo é mais delineado, tudo é mais real, sem desvios e sem preciosidades, tudo é vida pura e dura.

São mundos diferentes; eu, impostor num deles, verdadeiro no outro, contudo efémero em ambos, tento coordenar vontades e concentração.

4 comentários:

Avassaladora disse...

A vida nas grandes cidades...
Esse contraste...
Dia, aquele burburinho, a noite um silencio angustiante...
Lindo o seu texto... retrata bem esses paradoxos....


Beijos e carinhos!

ParadoXos disse...

li reli de uma ponta à outra e achei impecável, exemplar!!!
- tens um grande poder sugestivo.
abraço

Daniel Silva disse...

Olá

Escreves belissimamente em todos os posts. Como posso seguir o teu blogue?

Hugs'n'smiles

Daniel

Alexandra disse...

Sinceramente adorei o teu texto. Como já havia visto escreves muito bem. Continua!

Percebo o que queres transmitir, até entendo o significado real das palavras que usas. Eu própria já pensei sobre esta matéria e, na altura, pareceu-me perfeitamente correcto. Mas quando me vi privada dessa amálgama de sons e "ninguéns" tomei consciência de que algo me faltava.

Excelente texto!! :)